Quer conhecer os livros Mamãe Aprendiz?

Quer conhecer os livros Mamãe Aprendiz?
Clique na imagem!

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Quarto de bebê menina: 10 ideias lindas para te inspirar!

Quando você descobre o sexo do bebê, é hora de começar a preparar o quartinho! Ai que delícia! 
E a Mamãe Aprendiz foi na Internet buscar algumas ideias lindas para te inspirar, gestante de menina! 

Dá uma olhada em alguns quartos mega fofos:

Tradicional
Aquele em que você usa até algumas peças que foram suas ou da sua mãe. Charmoso. 
Quarto de bebê menina: 10 ideias lindas para te inspirar!
Foto: sentavemhistoria.wordpress.com
Moderno Clean
Quando se quer fazer algo diferente, de forma criativa e moderna. 

Quarto de bebê menina: 10 ideias lindas para te inspirar!
Foto: soumae.org


Montessori
Para os adeptos de Maria Montessori, onde bebês dormem em colchões e tudo fica acessível a eles, dá para fazer uma decoração fofa, mesmo sem bercinho! 

Montessori
Foto: Pinterest

Moderno Provençal
Lindíssimo, chique e simplesmente apaixonante.
Quarto de bebê menina: 10 ideias lindas para te inspirar!
Foto:www.casaeconstrucao.org 


Decoração com Adesivos
Com poucas mudanças, bom gosto e criatividade, pode-se transformar um ambiente sem gastar muito. Olha que lindo ficou esse quartinho!
Quarto de bebê menina: 10 ideias lindas para te inspirar!


Floral
Lindíssimo, o papel de parede florido com os móveis brancos, aparece na medida certa, deixando o ambiente delicado. 
Quarto de bebê menina: 10 ideias para te inspirar
Foto: http://www.mimoinfantil.com.br/
Provençal
Sim, eu amo esse estilo, que perdura por séculos e continua chique. Como não amar esse quartinho?

Quarto de bebê menina: 10 ideias lindas para te inspirar!
Foto: vivadecora.com.br


Clássico
Delicado e fofo. 
Quarto de bebê menina: 10 ideias para te inspirar!
Foto: http://casavalemais.com.br/


Personalidade
Quem disse que berços e cômodas têm que ser brancos obrigatoriamente? Aqui a mamãe quebrou os paradigmas e fez um quartinhos super feminino e bem diferente dos tradicionais

Quarto de bebê menina: 10 ideias para te inspirar!
Foto: http://casavalemais.com.br/


Princesa
Como toda mãe de menina é mãe de princesa, um quarto cheio de majestade! 
Quarto de bebê Menina: 10 ideias para te inspirar
Foto: soloinfantil.com



quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Estou criando um vencedor ou um "obediente"?

Quero criar filhos vencedores e não "obedientes" 

Somos de uma geração criada e educada com palmadas, e achamos isso normal. Por achar tão normal, não percebemos o mal que isso fez em nossas vidas. 
As crianças nascem sem conhecimento de certo e errado, e entre os 2 e 4 anos é que descobrimos que existem regras. As de convivência, as morais e tantas outras. 
O que ocorre é que, no lugar de ensinar nossos filhos, acabamos "adestrando-os". Seja por nossa falta de tempo, de paciência ou mesmo por achar que é o certo. 
Pense num bebê de alguns meses, em pleno desenvolvimento que precisa descobrir o mundo. Cabe aos pais retirar de suas mãos e de seu caminho, tudo o que não devem manipular, por serem peças que quebram ou que podem machucá-lo. 
Ele ainda não entende o "sim" e o "não", o "pode" e o "não pode". Ele precisa, para seu pleno desenvolvimento, entender o mundo ao seu redor, e isso se dá, no início, por meio do toque, de levar a boca, de jogar no chão para ouvir o barulho.  
Assim, quando ele pega os óculos da mãe (é o meu caso, que uso óculos o tempo todo), a mãe deve simplesmente dizer: "não pode" e retirar da mão da criança. Com o tempo e fazendo isso várias vezes, principalmente impedindo a criança de chegar com a mão lá, ela vai entender (pelo amor) que ali realmente não deve ser mexido.
O que acontece quando damos uma palmada na mãozinha do bebê que pela trigésima vez tentou pegar os óculos? Ele vai sentir a dor e o susto, vai chorar, pode ser até que não tente mais... mas não foi porque aprendeu a lição. Foi porque foi condicionado. 
E por que não devemos "condicionar" nossos filhos?
Condicionar não é ensinar, é adestrar. Não quero um filho "adestrado". Quero um filho que um dia, seja um bom estudante, um bom profissional, um pensador, alguém que questione e que ajude a mudar esse mundo para melhor. 
Sabe aquelas pessoas brilhantes que chegam numa empresa e conseguem ver o que a vida toda se fez errado e aumentam o rendimento de todo mundo? 
Sabe aquelas mentes brilhantes que criam o que nunca ninguém pensou e enriquecem (a eles mesmos e ao mundo) com isso? Eles não eram "obedientes". Porque o obediente é aquele que faz o que mandam. 
Eu não quero criar um filho para fazer o que mandam a ele. 
Quero criar um filho que saiba conviver na sociedade, na comunidade, na vida. Que saiba respeitar os pais, os avós, o chefe, o professor, o vizinho. Mas que também saiba questionar, repensar, e melhorar o mundo em que vive. 
Quando insistimos que nossos filhos devem ser obedientes, mesmo que por meio dos tapas e gritos, estamos criando funcionários de chão de fábrica, eficientíssimos em suas tarefas repetitivas, que saberão obedecer como ninguém, mas que nunca chegarão a ser grandes pensadores ou líderes. 
Não estou dizendo aqui que devemos mimar as crianças e permitir que façam tudo o que querem. Elas precisam aprender as regras - da nossa casa, da sociedade, da escola, da vida. Mas essas regras não devem ser aprendidas de forma violenta, aos tapas e gritos. Essas regras precisam ser aprendidas com amor, com paciência, com explicações olho no olho, com repetição e carinho, até que entendam, até que se lembrem, até que aprendam. 
Vamos repensar nosso modo de educar nossos futuros inventores, pensadores, líderes? 

Baseado no livro "É possível educar sem palmadas?" Da Doutora em Psicologia Luciana Mria Caetano, Editora Paulinas.
Indico a todos os pais que querem se aprofundar no assunto. 

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Pai é Pai!

Feliz dia dos Pais
Foto: Pixabay

Pai é Pai! 
Pai é aquele que assume seus filhos;
Troca fraldas, dá banho, acorda no meio da noite. 
Pai acompanha a vida escolar dos filhos, dá bronca e elogio na hora certa. 
Pai é aquele que vivencia as alegrias e tristezas dos seus filhos. 
Direciona, consola, corrige e abraça. 
Se esforça a cada dia e luta pela felicidade deles. 
Pai é pai... é a expressão na terra, do grande Amor de Deus por nós!
Obrigada Pai, por você existir e ser esse exemplo de vida a ser seguido! 


Feliz dia dos Pais!

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

O Pai pode ajudar na Amamentação! Veja como!

O pai pode ajudar na amamentação!
Foto: Pixabay

Estamos na semana mundial do Aleitamento materno. Nesse ano, o tema é: "Amamentação: Uma chave para o Desenvolvimento Sustentável". Que amamentar é de fundamental importância na vida do seu bebê, ninguém duvida. Entretanto, não percebemos o quanto todos ganhamos com ela, e não só o seu bebezinho: 
  • O aleitamento não tem custo. Amamentando, você oferece ao seu bebê o melhor alimento possível (quem não quer dar o melhor para seu filho), de forma gratuita! 
  • Amamentar não gera lixo. Comprando leites artificiais, geramos sacolas, embalagens, medidores, mamadeiras e copinhos. O leite materno não precisa de nada disso.
  • Amamentar independe de um lugar específico: você pode amamentar onde estiver, já está prontinho e na temperatura certa. 
  • Amamentar ajuda na redução da pobreza, segundo a ONU, pois independe de classe social. 
Mas apesar de tantos "prós" a favor da amamentação, algumas mães tem grande dificuldade em manter a amamentação em livre demanda até os 6 meses. Entre os muitos motivos encontrados, um deles é o extremo cansaço que a mãe sente nos primeiros meses de vida do bebê. Ela acorda a noite toda, e não tem como descansar durante o dia, pois além dos cuidados constantes com seu bebê, a maior parte das mães ainda tem a casa para cuidar, roupas para lavar, cozinhar, receber visitas, e diversos outros afazeres, isso quando não tem ainda o filho mais velho para cuidar também. 

O que ocorre é que muitas mães chegam ao esgotamento físico e mental nessa fase, desencadeando inclusive a depressão pós parto. 
E como o papai pode ajudar para que isso não ocorra? Sendo o braço direito da mamãe! 

Ele não tem peitos cheios de leite, e provavelmente trabalha o dia todo, eu sei! Mas ele pode:
  • lavar a louça do final do dia, 
  • levar o lixo para fora, 
  • trazer um marmitex para o almoço (ou cozinhar, se ele for bom nisso), 
  • passar uma vassoura na casa, 
  • estender a roupa lavada que está na máquina, 
  • entre tantas outras "ajudas" que vão diminuir o cansaço da mãe. 

Além disso, durante a noite, existe uma ajuda, que muitas mães dispensam, mas que é um fator de motivação essencial para a mãe: levantar junto com ela na hora de amamentar. Muitas mulheres dizem ao marido que ele não precisa levantar, pois ele tem que trabalhar no dia seguinte e ela não. Mas ela não vai ficar dormindo no dia seguinte... ela também vai trabalhar, apesar de estar em casa e de pijamas. Normalmente ela terá dificuldade até para comer ou fazer xixi em alguns dias. 

Sabe, eu era uma dessas que sempre disse ao marido para não levantar, porque ele precisava descansar. Mas meu marido nunca me ouviu nisso, sempre se levantou para me ajudar. E, vou dizer: essa para mim, foi a maior prova de amor que ele poderia me dar na vida. Ele tinha todos os motivos para não levantar: não tem peitos, está cansado, vai trabalhar no dia seguinte, eu mesma havia dito para ele não se levantar... mas por amor, ele se levantou comigo, esteve ao meu lado, e nunca me senti sozinha no meu cansaço durante as madrugadas, na amamentação dos meus dois filhos. Isso me ajudou a manter a amamentação. 

Por isso, papais: deixem o cansaço de lado, essa fase passa logo. Ajudem suas esposas, o apoio moral, nessa hora é essencial! 
  • Enquanto a mãe "se ajeita" para amamentar, o pai vai tirando o bebê do berço e o coloca já na posição correta no colo da mãe. 
  • Durante a amamentação, o pai pode ir buscar um copo de água (amamentar dá muita sede, e o corpo precisa de líquido para poder produzir a quantidade necessária de leite para alimentar o bebê). 
  • O pai pode também buscar um copo de leite, uma fruta ou um lanchinho. Amamentar dá fome! 
  • Depois que mamou, o bebê precisa arrotar. Nessa hora, o pai pega ele no colo na posição vertical, e dá leves tapinhas nas costas. 
  • Normalmente, recém nascidos fazem cocô logo após ou durante as mamadas. O pai ajuda na troca. 
  • Tudo feito, precisa fazer o bebê dormir de novo. O pai pode fazer, enquanto a mãe esgotada pode voltar pra cama, tranquila que seu bebê está bem cuidado. 
Difícil? Talvez, mas não impossível. Mostre aos papais de bebês que você conhece, compartilhe, e vamos gerar um mundo com mães menos esgotadas, se sentindo amadas e bebês bem alimentados e felizes! 


terça-feira, 26 de julho de 2016

Dia dos Avós!

Feliz Dia dos Avós
Foto: Pixabay

Amor... é o que resume o que são os avós. Essas pessoas com tanta experiência, tantas vivências, tantos conhecimentos, mas principalmente... com tanto amor! 
São eles que nos socorrem nas dificuldades, que nos apoiam nas escolhas, que nos mimam e nos ensinam o caminho do bem! 
O que dizer do olhar atencioso, das brincadeiras animadas, do "come mais um pouco", do pastel, da sopinha... 
Avós são mães e pais com açúcar, mas mais do que isso: são a parte bela da vida. Diferentemente do que foram com os filhos, que precisavam ser educados e encaminhados, eles não tem essa obrigação com os netos. É por isso que com eles, o amor supera as preocupações e a racionalidade. 
Casa de vô e vó tem balas, chicletes, chocolates e tudo o que os netos mais gostam... tem brinquedos e brincadeiras, tem atenção e carinho, tem apoio e amparo, tem amor!    
Tenho saudades dos meus avós que já estão com Deus... e hoje, vejo o quanto meus filhos são abençoados e privilegiados pela presença dos vovôs e vovós amados! Quanto amor, quanto carinho, quantas experiências vividas na presença dessas pessoas tão lindas e tão importantes na minha vida e na deles! 
Obrigada, Senhor, pelos Avós!  

terça-feira, 19 de julho de 2016

Novidades no tratamento de Epilepsia



Epilepsia resistente a remédios é desafio para mães de pequenos portadores

Dispositivo que estimula nervo é eficaz e segura em crianças e pode ser alternativa quando a doença não responde aos medicamentos

Qualquer mãe sabe que não pode deixar a febre da criança subir por risco de convulsões e tem muito medo disso acontecer. Pode-se imaginar então o drama de quem tem filhos que sofrem de epilepsia, distúrbio em que a atividade cerebral sofre panes recorrentes, provocando crises periódicas. Há crises em que a pessoa perde a consciência e cai, apagando por alguns minutos. Mas há também crises mais sutis, que deixam o paciente ausente, fora do ar por alguns momentos, ou com movimentos descontrolados nos membros. Uma crise convulsiva pode impressionar e a falta de informação atrapalha o diagnóstico e consequentemente o tratamento correto.

Algumas doenças, pancadas ou infecções podem provocar crises convulsivas. Mas isso não quer dizer que o indivíduo seja portador de epilepsia. De acordo com a neurologista e epileptologista Dra. Andrea Julião de Oliveira, quem tem epilepsia apresenta uma alteração própria do funcionamento do cérebro que pode ter por diversas causas. “As crises geralmente ocorrem sem aviso prévio e sem tempo para que a pessoa possa se proteger ou ser protegida”, diz a especialista.

O problema de quem convive de perto com a doença é justamente não saber quando a convulsão pode acontecer – e como se comportar diante de alguém em crise. Para as mães de crianças com epilepsia, é especialmente difícil. Além de lidar com a questão do diagnóstico de uma doença para a vida toda, muitas vezes os tratamentos disponíveis não dão conta de controlar as crises adequadamente.

Como não há cura, o tratamento visa a diminuir os episódios. A primeira opção são os medicamentos, mas uma parcela dos pacientes não responde bem a eles ou tem efeitos colaterais inaceitáveis. “Nesses casos, a terapia VNS é uma boa alternativa para ser acrescentada ao tratamento. Trata-se de um dispositivo capaz de estimular o nervo vago, que passa pelo pescoço, enviando sinais ao cérebro para diminuir as crises e melhorar a qualidade de vida. Ele é implantado sob a pele, abaixo da clavícula, num procedimento cirúrgico simples, que traz poucos desconfortos”, explica a médica.

Estudos mostram uma melhora significativa tanto no controle das crises quanto em vários aspectos. Dra. Andrea ainda completa que para os pequenos, isso garante um ganho enorme na qualidade de vida em geral, como melhora da depressão, do humor, além da atenção e capacidade de realizar tarefas na escola. Outros aspectos, como linguagem, memória e aprendizado, também saem ganhando. Para as mães, significa o alívio de encontrar uma opção para viverem melhor.

Fonte: Rojas Comunicação

terça-feira, 12 de julho de 2016

Meu filho morde - o que fazer?

Meu filho morde - o que fazer?
Foto: Pixabay
Ontem o Gabriel voltou da escola com a marca de uma mordida na barriga. A professora veio me contar que um amiguinho mordeu ele, quando ele tentava pegar um brinquedo da mão do amigo. É difícil saber que nosso filho foi machucado, mas é importante saber que as professoras não tem controle total sobre os alunos (nem mesmo nós mães, que as vezes ficamos cuidando de um só, as vezes eles caem e se machucam), que dirá elas, com vários para cuidar. Então, mamães dos filhos mordidos: acalmem-se. Acontece. Lembre-se somente de nunca incentivar o seu filho a revidar, pois ele pode, com isso, se tornar o agressor. Com o tempo, ele vai ficando mais esperto para se defender. 

Mas e quando o meu filho é aquele que morde? Aí é mais complicado ainda, porque as mães dos outros amiguinhos vão pedir para eles se afastarem do seu, então sua função é mais urgente: ajudá-lo a parar com isso. Assim, reuni algumas dicas bem legais para ajudar nessa missão:


  • Repreenda seu filho todas as vezes que ele morder. Não é gritar, nem bater. É dizer com muita firmeza e seriedade que o que ele fez é muito errado, que não pode machucar o amigo. E tem que repetir mil vezes mesmo. Todas as vezes que ele fizer. Não pode deixar uma vez, porque achou bonitinho, e reprimir nas outras. O filho fica em dúvida de qual regra seguir. Tem que repreender todas as vezes. 
  • Chame-o para ajudar o amigo mordido. Mostre a ele o "estrago", que machucou, que doeu, que o outro está sofrendo, e peça para ele ajudar (abanando, segurando o gelo ou uma pomadinha para passar no local) para sarar o dodói do amiguinho, e sempre lembrando que não pode fazer isso. 
  • Troque a mordida por beijo. Se a mordida é em você ou no papai, combinem entre si de, quando perceberem que a criança vai te morder, dizer: Não, beijo! E dê um beijo na bochecha dela. Aos poucos ela vai aprendendo que beijo é permitido, mordida não. 
  • Pare a brincadeira. Se a criança mordeu - seja você, seja um amiguinho, pare imediatamente a brincadeira. Seu filho precisa entender que a brincadeira acabou porque o que ele fez não foi legal, e se ele quiser continuar brincando, não pode mais fazer isso. 
  • Nunca morda a criança para mostrar como é ruim. Ele precisa entender que isso não pode ser feito, e fica confuso, se você também fizer. 
  • Tenha paciência. As crianças não aprendem de uma vez... é preciso paciência, persistência e principalmente, muito amor para ensinar! 
  • Procure ajuda. Se seu filho já entende, tem mais de 3 anos e continua mordendo, mesmo você tentando de todas as formas fazê-lo parar, é bom buscar ajuda. As mordidas podem se uma forma da criança demonstrar que tem algo errado. E um bom profissional - psicólogo, educador - vai te ajudar a descobrir e resolver os motivos. 
Se tiver mais dicas, deixe nos comentários!!!

terça-feira, 5 de julho de 2016

Como fazer seu filho dormir cedo

Semana passada eu mostrei os 7 motivos para você colocar seu filho na cama cedo. Hoje, conforme prometido, vou te ensinar como fazer isso, e a palavra principal na busca dessa meta, que você já deve ter ouvido várias vezes é: Rotina! 

Como fazer seu filho dormir cedo
Foto: Pixabay

Por que seguir uma rotina:
  • Os bebês, quando seguem uma rotina ficam confiantes, pois sabem o que vem depois. Quando seguimos uma "rotina de dormir", na cabecinha deles, é como se eles pensassem: eu mamei, tomei banho e está tudo escuro, devo estar com sono... e com isso, aceitam relaxar e dormir. 
    • As crianças, de forma parecida, quando seguem uma rotina, acostumam-se com aquele padrão, e você não precisa se esforçar toda noite para que eles queiram dormir. Eles estarão adaptados. 
Mas tudo depende de você:

Quando temos um bebê ou uma criança em casa (no meu caso, são dois), nossa rotina não pode continuar como a de antes. Temos que nos adaptar para o bem dessa criança. Então, se antes você começava o jantar as 21h e ia dormir meia noite, agora tudo mudou. Os horários precisam ser diferentes para o bem dos seus filhos. 


As crianças não sabem o que é melhor para elas. 
Não pode esperar até que queiram dormir. Nós é que temos que saber o horário que precisam dormir. 
É como comer: eu não tenho que esperar que meus filhos peçam o almoço, eu que tenho que ter um horário certo para servir o almoço! 

Algumas mães se preocupam tanto com alimentação e deixam o sono, tão importante quanto, nas mãos da criança! Mas como mãe, eu sou responsável pela comida, pela higiene, pelo sono também! Assim como eu não deixo dormir sujo, ou com fome, não posso deixar dormir na hora que a criança quer... simplesmente porque eu sei o que é melhor para ela. Ela não sabe! 

Como mostrei na postagem anterior, é muito importante colocar seu filho na cama cedo (se não leu, corre lá, clicando aqui.) . Sabendo de tudo isso, e do bem que você vai fazer para seu filho, valem alguns sacrifícios, que nem são tão difíceis assim:
  • O jantar precisa ser cedo - aqui, eles jantam as 19h. 
  • Crie um "Ritual do Sono" para seus filhos, e marque um horário para ele. Por volta das 20h, eu começo o "ritual do sono". Aqui, começa com o leite morno, escovar os dentes e o banho. Gosto de dar banho a noite, pois no calor, ele refresca; e no inverno, ele esquenta... e sempre acalma. Depois do banho e de se vestir, tem uma historinha bem rápida, que eu conto; uma oração (em que eles interagem, dizendo os motivos de agradecimento, pessoas que precisamos rezar, etc) e em seguida, eu aviso que é hora de dormir, digo que vou apagar o abajur e que é para fechar os olhinhos e descansar.  
Alguns pontos importantes: 
  • Desde quando eram bebês, o ritual é o mesmo; mas se seu filho já é maiorzinho, nunca é tarde para começar. 
  • Ao sair do banho, a casa já está toda escura. E mesmo que o papai estivesse querendo assistir TV, ele precisa desligar por uns minutinhos, pois é claro que vão preferir ficar assistindo TV com o papai do que dormir. 
  • Quando vamos para o quarto, deixo somente o abajur ligado, para que o cérebro entenda que é noite, e libere hormônio do sono, a tal da melanina. 
  • Depois que eles dormem, se acordarem novamente, seja para ir ao banheiro, tomar água ou quando tinha fralda para trocar, mantenho o "escurinho" e silêncio na casa. Se acordam enquanto ainda estamos assistimos TV, desligamos até voltarem a dormir. E no quarto, ligo somente o abajur para não despertar. 
  • Como já estão adaptados com a rotina, após o "ritual" (leite/escovar dentes/banho/historinha/oração) eles dormem em menos de 5 minutos!!! 
  • Nas primeiras vezes, precisa ser firme: Agora vamos fazer isso (tomar banho, ou o que você colocar como parte do seu ritual). 
  • Mesmo para quem tem compromissos a noite que muitas vezes precisa levar a criança, e pensa: não tenho como seguir rotina, eu digo: tem sim! Todas as vezes que estiver em casa, siga um ritual, estabelecido por você, e eles vão acostumar da mesma forma. 
Criança dormindo cedo faz bem para ela, como já vimos no post anterior, mas também faz bem para o papai e a mamãe, que têm tempo para namorar ou mesmo fazer suas coisas depois que eles dormem. 



segunda-feira, 27 de junho de 2016

7 motivos para você colocar seu filho na cama cedo

7 motivos para você colocar seu filho na cama cedo
Foto: Pixabay
Por que meu filho precisa dormir cedo? Vamos aos motivos principais:


  • Para crescer. O hormônio do crescimento (GH) é liberado com mais intensidade durante a noite, entre 21h e 4h da manhã. Crianças que dormem tarde, podem ter problemas de crescimento. Crescer
  • Para ter um sono reparador. A melatonina, hormônio que regula o sono, sofre influência da luz do dia. Então, mesmo que seu filho vá para a cama à meia noite e durma até o meio dia do dia seguinte, o sono não terá a mesma função reparadora daquele que dorme as 21h. Fonte: Crescer

  • Para não ser obeso no futuro. Pesquisa do Hospital Pediátrico de Massachusetts (EUA) concluiu que crianças que não dormiam as horas necessárias de sono para sua idade, apresentavam gordura corporal e abdominal maior que as que dormiam o suficiente. Crescer

  • Aprender melhor. O sono adequado ajuda na capacidade de aprendizagem e de memória. Fonte: Delas
  • Manter os ossos fortes. Quando uma criança dorme e acorda tarde, ela perde a maior fonte de vitamina D, pois deixa de tomar o sol da manhã. Fonte: Delas
  • Ajustar o relógio biológico. A melatonina, hormônio do sono, é liberada entre 20h e 21:30h. É nesse horário que as crianças relaxam. Após esse horário, a criança volta a se agitar, apesar de continuar com sono, e fica difícil convencer de que é hora de dormir. 
  • Para acordar calmo. Muitas mães reclamam dos seus filhos agitados e irritados... mas, vamos combinar, até nós adultos ficamos irritados e agitados quando vamos dormir muito tarde. 

Sabendo disso tudo, é melhor começar a adiantar a hora de dormir em casa. É para o bem do seu tesouro! 

Quer saber a "receitinha" de como fazer as crianças dormirem cedo? Então leia o artigo: Como fazer seu filho dormire cedo

Beijos e até lá! 




    quarta-feira, 15 de junho de 2016

    Mude de atitude e tenha filhos amorosos e obedientes #eutestei

    A dica de hoje parece óbvia, mas não é. Corremos o tempo todo para dar conta de tudo o que temos para fazer: casa, trabalho, marido, estudo, filhos... e os pobres dos filhos, correm junto, muitas vezes atrás da gente.

    Apesar da correria do nosso dia, existe uma prioridade em todas as casas. Se eu perguntar para qualquer mãe qual é a prioridade da sua vida, ela dirá: os filhos. Entretanto, as vezes, não demonstramos isso para eles. E acabamos com filhos frustrados, irritados, querendo chamar nossa atenção da forma errada, fazendo arte ou e desobedecendo. 

    Por isso, quero dar uma dica super simples, mas que me ajudou muito no relacionamento com meus filhos. Se você quer ter filhos amorosos e obedientes, olhe-os nos olhos, e abaixe para ficar próximo a ele, não fale de cima. 

    • Olhe nos olhos e se abaixe, ou sente-se para ouvir o que ele tem para contar, e esteja inteira, ou seja, não desvie o olhar, não o faça falar mais rápido, ouça tudo, com carinho e interesse. Ele vai perceber que é importante e que você se importa com o que ele tem para dizer.
    • Olhe nos olhos quando precisar falar algo, não importa o que seja. Ele vai sentir-se "parte". 
    • Olhe nos olhos quando for dar bronca, assim você pode falar baixo, ele não se sentirá humilhado ouvindo gritos. 
    • Olhe nos olhos quando for dar alguma instrução. Assim você percebe na hora se ela entendeu mesmo, ou se precisa repetir ou explicar de outra forma. 
    • Olhe nos olhos, sempre. Olhe com amor, com carinho. Abrace, beije, demonstre no seu olhar o seu amor.  E tenha filhos mais felizes, menos irritados, mais amorosos, obedientes e principalmente felizes!